Guia de Produtos Tóxicos

Chumbo
O chumbo é uma toxina encontrada em tintas, tubulações antigas, na eletrônica, cerâmica esmaltada e solos contaminados.
Afeta a reprodução e o desenvolvimento, reduzindo a fertilidade e provocando aborto.

Mercúrio 
O mercúrio orgânico é a forma mais perigosa, pois é absorvido pelo corpo e penetra facilmente no cérebro e na placenta. O meio mais comum de contaminação é pela ingestão de alimentos contaminados, a maioria deles peixe.
Igualmente ao chumbo, o mercúrio é uma toxina que afeta a reprodução e o sistema nervoso. 

Pesticidas com organofosfato
Os pesticidas com organofosfato compõem cerca de metade de todos os inseticidas utilizados nos Estados Unidos. São pulverizados em lavouras e usados em produtos domésticos. São derivados do ácido fosfórico e foram desenvolvidos como agentes nervais durante a 2ª Guerra Mundial. A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos cancelou os registros de vários clorpirifós. Podem causar alterações genéticas, afetar a reprodução e o sistema nervoso e causar câncer. 

Ftalatos
Ftalatos são aditivos aos plásticos, especialmente ao PVC, que aumentam a flexibilidade e retardam as chamas, entre outras aplicações. Por não estarem quimicamente ligados ao plástico, os ftalatos podem vazar para o meio-ambiente.
Em animais silvestres e de laboratórios, os ftalatos foram relacionados à redução de fertilidade, ao aborto, a defeitos congênitos, a contagem anormal de esperma, ao dano testicular e ao câncer do fígado e dos rins.

Dióxido de nitrogênio
O dióxido de nitrogênio (NO2) afeta tanto a saúde das plantas como das pessoas. Metade das emissões de NO2 provêm dos veículos, metade de automóveis e metade de veículos pesados. Os óxidos de nitrogênio em geral têm papel importante na formação de chuvas ácidas, sendo os responsáveis por 50% da acidificação das chuvas. Além disso, contribuem na formação do ozônio de baixa altitude.
O NO2 afeta o crescimento e induz a lesões em plantas mais sensíveis, enquanto nas pessoas produz irritações das vias respiratórias, redução das funções pulmonares e aumento da susceptibilidade a infecções viróticas. 

Monóxido de carbono
Os carros são a maior fonte de monóxido de carbono (CO), respondendo por mais de 65% das emissões deste poluente. Uma das substâncias existentes mais tóxicas, reduz o transporte de oxigênio pelo sangue, provoca a diminuição da percepção, retardamento dos reflexos e sonolência. 
Causa enxaqueca e afeta o sistema nervoso central, o coração e a oxigenação dos órgãos. Em grandes doses é fatal.

Hidrocarbonetos
Os hidrocarbonetos, combustíveis parcialmente queimados ou não queimados, são emitidos pelos carros e pelos depósitos e sistemas de transporte de combustíveis. 
Podem ser cancerígenos – caso do benzeno – e causam irritação dos olhos, tosse e sonolência. Causam, também, danos ao meio ambiente, participando de reações com os NOx na atmosfera, sob a incidência da luz solar, formando agentes fotoquímicos como o ozônio.

Ozônio
O ozônio (O3) é o principal componente da névoa fotoquímica comumente denominada de smog. Nos seres humanos, causa irritação dos olhos, nariz e garganta, dores de cabeça, tosse e diminuição da função pulmonar. 
O ozônio pode afetar a flora na cidade e fora dela. Na Califórnia, por exemplo, estima-se que o ozônio troposférico cause perdas anuais de 20% de cultivos como do algodão e da uva.

Material particulado
O material particulado é formado por partículas minúsculas, emitidas pelos escapamentos dos veículos e resultantes da queima incompleta de combustível, também chamada de particulados inaláveis (Pis). Os PIs podem ser reconhecidos como uma fuligem muito fina, mas são, na realidade, partículas microscópicas de carbono que absorvem compostos químicos potencialmente tóxicos. Os PI são pequenos a ponto de penetrarem profundamente nos pulmões quando aspirados.
Agravam bronquite e asma, mas o mais preocupante é sua ação cancerígena. Os motores diesel produzem consideravelmente mais PIs do que os movidos à gasolina e a álcool. 

Metais pesados
Os metais pesados são jogados à atmosfera pelos veículos e inclui, entre outros, níquel, cromo, cádmio, arsênico, chumbo, manganês e berílio. Alguns destes são extremamente tóxicos, mesmo em baixas concentrações.
O acúmulo de metais pesados altera a química e biologia dos solos e afeta a saúde de plantas e animais. Os metais entram na alimentação humana por meio do consumo de carne, leite e peixes, causando sérios problemas à saúde.

Óxidos Sulfúreos
Os óxidos são liberados na queima de combustíveis, principalmente fósseis, em veículos motorizados e nas indústrias. 
Provocam danos aos pulmões e às vias respiratórias, às plantas e espécies mais sensíveis, ao patrimônio arquitetônico. Também causam a acidificação de corpos d’água e do solo. 

Cotinina
A cotinina fornece a indicação de exposição à nicotina. Dois terços da fumaça dos cigarros não é tragada pelos fumantes, mas é liberada no ambiente circunvizinho. Conseqüentemente, os não-fumantes inalam os mesmos produtos químicos contidos na fumaça. Cerca de 4.000 produtos químicos tóxicos (incluindo 50 cancerígenos conhecidos) foram identificados na fumaça do cigarro.
Estes produtos químicos podem causar câncer, doenças cardíacas e asma, entre outras.